You are currently browsing the monthly archive for dezembro 2011.

Olha o Sorvete – Faz tempo que eu não via um sorvete assim. Até os carrinhos da Kibon sumiram das ruas de Salvador. Antes, tinha a sorveteria primavera que vendia sorvetes em carros como esse da foto. Essa sorveteria ambulante é de St John, Ilhas Virgens Americanas, Caribe.

antes que vire predio – Esta casa ocupa uma colina na Ladeira da Barra e foi lá que morou o banqueiro Clemente Mariani. Do jeito que anda a especulação imobilizaria aqui em Salvador…

Quem anda por que anda com vontade de comer um arroz de polvo nesse natal, pode ir tendo certeza de que não há nada de estranho em acrescentar esta iguaria ao peru, ao tender e ao bacalhau na mesa natalina. Os portugueses costumam servir polvo na ceia natalina. Pelo menos, foi o que o elenco portugues de uma das novelas da Globo mostrou no video show.

Mas que bicho é um piolvo? Em filmes e desenhos animados, é mostrado como um monstro assassino que mata com ventosas e uma tinta mortal. Em Bob Esponja, o mal humorado Lula Molusco é um polvo. Os polvos são moluscos marinhos da classe Cephalopoda e da ordem Octopoda, que significa “oito pés”. Possuem oito braços com fortes ventosas dispostos à volta da boca. Como o resto dos cefalópodes, o polvo tem um corpo mole mas não tem esqueleto interno (como as lulas possuem) nem externo (como o nautilus). Como meios de defesa, o polvo possui a capacidade de largar tinta, camuflagem (conseguida através dos cromatóforos) e autotomia de seus braços.Os polvos não possuem tentáculos, mas sim 8 braços, ao contrário das lulas e sépias que, além dos 8 braços, possuem 2 tentáculos, que actuam na hora da reprodução. Dado que os seus membros são usados na locomoção, também se pode referir aos polvos como octópodes, que têm 8 pés à semelhança do argonauta.

Todos os polvos são predadores e alimentam-se de peixes, crustáceos e invertebrados, que caçam com os braços e matam com o bico quitinoso. Para auxiliar à caça, os polvos desenvolveram visão binocular e olhos com estrutura semelhante à do órgão de visão do ser humano, que têm percepção de cor.

No final de abril, o mundo parou para assistir o casamento do Principe William, neto da Rainha Elizabeth II da Ingalterra com Kate Midleton, filha de empresarios do ramo de eventos. O vestido, que lembrava o da princesa Grace de Monaco, deu o que falar.

No casamento de Kate e William, no entanto, foram as primas do noivo, Beatrice e Eugenie, filhas do Principe Andrew com Sarah Fergunson, que roubaram a cena da pior forma possivel: vestidos espalhafatosos e o chapeu extravagante de Beatrice teriam sido a vingança das duas moças porque a mãe não foi convidada para as festas.

Tem gente que não desgruda o celular nem em casamentos chics, mesmo que sejam de cabeças coroadas com o de William e Kate. Está ai a cantora Joss Stone, quase impecavel se não fosse o detalhe do telefone em plena cerimônia.

No inicio de julho, tres dias de festa sacudiram o Principado de Mônaco, na Costa do Mar Mediterraneo, com o casamento do Principe Albert com a ex-nadadora Charlene Wittstock. Foram tres dias de festa com um desfile de cabeças coroadas, personalidades do mundo fashion e muitas páginas de revista. Carlene usou um belíssimo vestido Armani.

Em fim de julho, um outro casamento movimentou a familia real ingelsa com cerimônia em Edimburgo Escocia. Foi a vez de Zara, filha mais velha da princesa Anne, irmã de Charles, tia de William. O casamento fez o gênero chic e simples com uma recepção pré-casamento no Iate Real Britannia. Deram o que falar os modelitos usados por Kate Midleton que, segundo as más línguas, eram peças já vistas em temporadas anteriores. Zara é princesa de nascimento, mas nunca usou o titulo porque a mãe quis dar aos filhos uma vida normal sem muitos protocolos.

Grazi Massafera

Lady Gaga

Alinne Moraes

Xuxa

Fatima Bernardes

As vezes é preciso falar de Salvador. Esta bela cidade anda abandonada, anda perdendo sua identidade mas temos belos prédios e alguns lugares que merecem foto sempre

A Associação Comercial não é turística, mas é um belo prédio do Comercio, no que chamam Cidade Baixa.

Ligar Bahia ao Farol da Barra parece óbvio, mas é exatamente do Farol da Barra que eu me lembro quando falam em Salvador. È ele que eu procuro quando chego de viagem de avião ou navio. É sinonimo de Bahia.

O pequeno Forte de Santa Maria é um dos dois fortes que marcam os extremos do Porto da Barra, marco zero da cidade. O outro é o Forte de São Diogo. Santa Maria é um forte simpático, com jeito de residencia. Se eu fosse do governo, transformava em alguma coisa. Quem sabe, um cerimonial.

Os coqueiros de Itapuã foram imortalizados em música. Sobraram poucos depois que itapuã deixou de ser um bucólico bairro de veraneio para se transformar num féerico bairro com residencias e comercios. Esses coqueiros ficam em Piatã, bairro vizinho lotado de condomios fechados.

Vestido longo com estampa de animal – 189,00

Cinto de couro – 89,90

Macacão feminino – 179,90

Sandalia rasteira grendha skakira – 39,90

Kit com tres toalhas de lavabo e um sachê – 59,90

Jogo de xícara de café – 59,90

iPad – 1649,00

mp4 player = 199,00

Fonte: loja Riachuelo, Tok Stok e Livraria Saraiva

Uma das melhores viagens que eu fiz foi à Tunisia, esse pequeno pais do norte da Africa, que ganhou as manchetes no inicio de 2011 quando o quase eterno presidente do pais Ban Ali foi derrubado. De lá pra cá, parece que a coisa amainou um pouco, mas não sei se está seguro ir até esse pais onde há deserto, praias, cultura mulcumana, reminicencias dos romanos, fenícios (cartagineses), alem de toda a ancestralidade africana e o povo que habita o deserto.

Na época em que fui – 2009 – a Tunisia era um pais que mesclava bem as culturas ocidental, mulcumana e africana. As mulheres tinham certa liberdade (inclusive de trabalhar, e de não usar o véu) e nas mesas de bares e restaurantes dava para se tomar uma cervejinha ou um vinho, embora o must é mesmo o chá de menta servido quente em copinhos decorados.

Para comprar, a Tunisia só não é um paraiso completo porque é preciso pechinchar um bocado nos mercados e são tantos mercados, camelôs, ambulantes que chega uma hora em que rezamos por um shopping chique com vitrine, ar condicionado e demais mordomias. Só achei um em Sousse, uma das maiores cidades do país, no litoral.

A capitual é Tunis, uma cidade grande, bonita e cosmopolita. Tão cosmopolita que tem até igreja católica. A medina (cidade antiga) é um verdadeiro labirinto, mas vale a visita. Perto, há pelo menos dois pontos que merecem a visita.

O primeiro é Cartago. A parte fenicia decepciona um pouco pois está reduzida ao cemiterio onde eram sacrificadas crianças. A parte romana é maior e mais bem conservada. Outro ponto que é imperdivel é Sid Bou Said, um balneário simpático que já foi muito frequentado por artistas e intelectuais. Esses e outros lugares a beira mar têm as ruas decoradas por tangerineiras que quando estão carregadas dão um toque especial. Muitas das casas do local são de veranistas estrangeiros e algumas delas custam verdadeiras fortunas.

Passei em Sevilh algumas horas. È pouco, muito pouco. Mas eu estava em um ceuzeiro maritmo, o navio para em Cadiz (uma bela cidade andaluza), navio tem hora pra chegar e hora pra partir e o jeito foi correr pra ver, pelo menos o principal da cidade, a quarta maior da Espanha, perdendo apenas para Madrid, Barcelona e Valencia. A cidade tem mais de tres mil anos de historia e o resultado da influência de diversos povos que passaram por lá (romanos, bárbaros, arabes, etc) pode ser visto em monumentos, centro histórico, torres, igrejas e outras construções.
Em Sevilha, becos como esse da foto acima (eu adoro um beco por mais que eles pareçam misteriosos) estão em todo o centro histórico e em uma de suas principais atrações, a Juderia, ou bairro judeu. Sevilha foi fundada pelos tartessos, concretamente os turdetanos, cerca do século XIII a.C., com o nome de “Hispal”. Depois foi ocupada pelos fenícios e cartagineses. Depois passou pelos romanos, visigodos e mouros, que lhe deram o nome de Ishbiliya (árabe أشبيليّة) que derivou depois em Shbiya para terminar no nome atual. Nesta época a sua riqueza cultural cresceu enormemente pela cultura árabe, em tanto que tinha dependência do Califado de Córdoba convertendo-se na mais importante de Al-Andalus. Foi capital dum dos reinos de taifas mais poderosos desde 1023 até 1091 governado pela família dos abádidas. Na época almóada construíram-se a Giralda, o Alcázar e a Igreja de São Marcos. Entre finais do século XI e até meados do século XII assentaram-se os almorávides na cidade, uma época muito boa para os negócios e a arquitectura. Os cristãos reconquistaram a cidade em 1248 durante o reinado de Fernando III de Castela.

Sevilha é banhada pelo Rio Guadalquivir. O nome é complicado justamente por ser uma herança dos mouros. Mas é um rio largo, bonito e belas pontes ligam os dois lados da cidade. O clima de Sevilha é mediterrânico, com influências continentais. A temperatura media anual é de 18,6 °C, o que faz desta cidade uma das mais quentes de Europa. Os invernos são suaves. Janeiro é o mês mais frio, com médias entre 5,2 °C e 15,9 °C e os verões são muito quentes. Julho possui as medias mais altas, entre 19,4 °C e 35,3 °C e todos os anos superam-se os 40° em varias ocasiões. As temperaturas extremas registadas na estação meteorológica do Aeroporto de Sevilha foram de -5,5 °C, em 12 de Fevereiro de 1956 e 46,6 °C, em 23 de Julho de 1995. Há um recorde não homologado pelo Instituto Nacional de Meteorologia que é de 47,2 °C em 1 de Agosto de 2003. As precipitações são de 534 mm por ano, concentradas de Outubro a Abril. Dezembro é o mês mais chuvoso, com 95 mm. Há 52 dias de chuva por ano, 2.898 horas de sol e 4 dias de leve possibilidade de gelo.
Sevilha foi sede da Expo 92, Mas, muito antes disso, sediou a primeira Exposição Iberoamericana, em 1929, da qual ficou Praça de Espanha. Da Expo’92, permanecem parte das instalações que foram reconvertidas no parque tecnológico mais importante da Andaluzia, o parque temático “Isla Mágica” e a monumental ponte do Alamillo sobre o rio Guadalquivir do arquitecto Santiago Calatrava. Destaca-se na actualidade a realização das obras do Metro de Sevilha. Esses e outros eventos deram a cidade toques de modernidade como amplas avenidas e parques com muitas arvores.
estive lá no domingo de Páscoa. Sem dúvida alguma, a principal festa de Sevilha é a Semana Santa, na qual 59 irmandades desfilam pelas suas ruas, saindo dos diversos templos até à “Carrera Oficial” (percurso oficial obrigatório para todas), que começa na Campana e finaliza ao sair da Catedral, onde se realiza a estação de penitência. Um terço da população participa nas confrarias como irmãos da luz, “costaleros” ou membros de uma banda.

Igualmente destacável é a “Feria de Abril”, festa de carácter folclórico que reúne cada ano milhares de pessoas vindas de toda Espanha (e não só) no recinto “ferial”. São típicas as “casetas” (barracas com forma de tendas) onde as pessoas se reúnem para cantar e dançar sevilhanas e flamenco. Durante a semana de “feria” realizam-se uma série de touradas de fama nacional, na conhecida praça de touros de Sevilha “La Maestranza”. Um dos destaques da cidade é a Catedral, considerada uma das maiores do mundo, as torres, o museu das carruagens.

Listas e cores.

Bolsas enormes, daquelas que cabem tudo

O discreto charme do salto alto

Exibida atualmente no horario da tarde dentro da programação Vale a pena ver de novo, a novela Mulheres de Areia, alem de ser uma oportunidade de rever grandes atores que já faleceram como Raul Cortez, Carlos Zara e Adriano Reyes, traz algumas carinhas que andavam sumidas do video. Por onde elas andam? Confiram:

Karina Perez – a socialite Andrea, de mulheres de Areia, deixou a carreira de atriz e vem se dedicando somente à família. Ela atuou bém em Tropicaliente, Malhação e Por Amor e em alguns episódios do Você Decide. Atualmente ela trabalha com artes plásticas.

Alexandra Marzo – (foto acima) fez a Carola, irmã de Andrea. Filha de Betty Faria e Claudio Marzo, Estreou na Televisão na novela Hipertensão da Globo, onde já se destacou com a personsagem Taís. Sua capacidade de interpretação e a semelhança física com a mãe, ajudaram a alavancar sua carreira. Dentre suas personagens, destacou-se como a Sílvia em “O Salvador da Pátria”, a Giulia em “Top Model”, a Carola em “Mulheres de Areia”, a Suzy em “Malhação” e Lili, em “Suave Veneno”. No Cinema fez “Banana Split”, “Jubiabá” e “Um Céu de Estrelas”. Desde 2004 está afastada da T¨V.

Gabriela Alves – a Glorinha, irmã de Tonho da Lua, é filha da cantora e atriz Tania Alves. Começou cedo em televisão. Fez vários trabalhos, depois se afastou e ficou dez anos sem fazer novela. Voltou este ano no elenco de Amor e Revolução do SBT.

Eloiza Mafalda – Manuela, em Mulheres de Areia, uma atriz conhecidíssima do grande público. Na década de 1970 ela foi a Dona Nenê (Irene Silva), na primeira versão de A Grande Família, da TV Globo, ao lado de Jorge Dória, que fazia o Sr. Lineu. A atriz se destacou em várias novelas da Globo como a Maria Machadão em Gabriela (1975), a Maria Aparadeira em Saramandaia (1976), a Consolação em O Astro (1977), a dona Mariana em Paraíso (1982) e a Gioconda de Pedra sobre Pedra (1992). Mas sem dúvida seu maior sucesso foi a dona Pombinha Abelha em Roque Santeiro (1985). Atualmente, ela sofre de alzheimer. Além disso ela convive com as sequelas de uma fratura no fêmur, após um tombo em casa.

mais acessados

  • Nenhum

Fotki

Twitter

    follow me on Twitter

    Páginas

    dezembro 2011
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031